×

Vigilância Sanitária alerta para cuidados na compra de açaí em Porto Velho

Cuidado deve-se ao registro de casos da doença de Chagas, nos estados do Amazonas e Acre.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), através da Divisão de Vigilância Sanitária, faz um alerta quanto aos cuidados na compra e consumo do açaí. O cuidado deve-se ao registro de casos de contaminação do produto com fragmentos do Trypanossoma Cruzi, mais conhecido como barbeiro, causador da Doença de Chagas, nos estados do Amazonas e Acre.

Recentemente, foi confirmado um caso de doença de chagas na fase aguda, em Porto Velho. Mas, segundo a investigação do departamento de Vigilância em Saúde da Semusa, a contaminação ocorreu fora da capital.

“Foi feita a investigação entomológica na casa do paciente, um rapaz de 16 anos, e não foi encontrado vestígios do barbeiro, tudo indica que a contaminação ocorreu em Guajará-Mirim, onde ele nos informou que comeu carne de caça e tomou açaí”, explicou a coordenadora de prevenção a Doença de Chagas, Rosenete Nogueira da Paz.

Publicidade

O chefe da Vigilância e Licença Sanitária, Ronald Gabriel Passos, explica que o consumidor deve observar se o estabelecimento que vende açaí tem a licença da Vigilância para comercialização do produto. “Os batedores de açaí devem seguir as orientações da Vigilância Sanitária, quanto a higienização do ambiente e equipamentos, em todas as etapas do processamento. Agora, estamos intensificando a fiscalização nesses locais”, Informou.

Manipulação – colheita a preparação

Na colheita, o produtor deve evitar colocar o fruto direto no chão, transportando-o utilizando ‘basquetas’ (caixas plásticas vazadas).

No local de armazenamento, evitar acúmulo de material que não está sendo usado para não se criar abrigos de pragas como: barbeiros, ratos e baratas. O transporte do fruto deve ser realizado em local limpo e arejado, de preferência em ‘basquetas’ cobertas.

O local de produção deve ser construído com material de fácil limpeza, com tela, forro e não deve ter frestas e aberturas. As luminárias devem estar longe da máquina de moer ou bater (pois os insetos são atraídos pela luz).

Etapas do Processamento

A primeira etapa do processamento é o peneiramento, que tem como finalidade eliminar sujeiras que estão no fruto. Durante essa etapa fique atento e observe se existem insetos que não foram eliminados através do peneiramento.
Lavagem do Fruto
1ª etapa; apenas com água corrente.
2ª etapa; deixar o fruto de molho por 20 minutos em uma mistura de 20 litros de água com 150
ml de hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária (que tenha indicação para uso em alimentos).
3ª etapa; lavar com água limpa.

Fonte: Rondônia ao Vivo

Ver comentários

Continue Lendo...

Drive-thru com testes rápidos identifica 11 infectados

Pacientes receberam kit para tratamento da doença.

Leia Mais
Porto Velho Shopping suspende atividades até o dia 03 de abril

Após a publicação do Decreto, ocorrido neste sábado (21/03), no qual o governador do Estado de Rondônia toma diversas medidas a fim de evitar o avanço do Coronavírus em Rondônia, o Porto Velho Shopping emitiu…

Leia Mais
Feira de Agricultura Familiar ganha adesão de servidores e magistrados do TJRO

Alimentos frescos, iguarias e artesanatos atraem visitantes da instituição e da comunidade.

Leia Mais
Hospital Santa Marcelina é um dos beneficiados com os recursos das penas pecuniárias

Dentre as instituições beneficiadas com recursos das penas pecuniárias repassadas pela Vepema, Vara de penas alternativas, uma se destaca pelo trabalho longevo e dedicado ao próximo. Trata-se do hospital Santa Marcelina, uma referência no tratamento…

Leia Mais
Órgãos de proteção atuam para garantir direito do consumidor nas compras de final de ano

Força-tarefa avaliou preço, prazo de validade e armazenamento dos produtos.

Leia Mais
Nota da Assembleia Legislativa de Rondônia

Porto Velho, RO – A Assembleia Legislativa de Rondônia está colaborando com as investigações da Operação FELDEBERG, desencadeada na manhã desta quinta-feira, entregando documentos e informações pedidas pelas autoridades judiciárias.

Leia Mais