×

Publicidade

Consumidor pode remarcar viagem a praias atingidas por mancha de óleo

Segundo Procon SP, remarcação ou cancelamento serão sem multa.

Consumidor pode remarcar viagem a praias atingidas por mancha de óleo

Foto: Reprodução/Agência Brasil

Consumidores que tenham comprado pacotes de viagem ou hospedagem para as praias do Nordeste que foram afetadas pela mancha de óleo têm o direito de cancelar ou remarcar a reserva, sem a necessidade de pagar multa. Segundo orientação da Fundação Procon de São Paulo, para isso o consumidor deve entrar em contato com a empresa contratada e pedir o cancelamento ou a remarcação.

As manchas de óleo têm poluído o litoral do Nordeste brasileiro desde o início de setembro, mas já foram notadas no final de agosto. A primeira localidade onde, segundo o relatório do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a contaminação foi comunicada, foi na Praia Bela, em Pitimbu (PB), onde os fragmentos de óleo foram avistados no dia 30 de agosto. A partir daí, a substância escura e pegajosa se espalhou pelos nove estados do Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe).

“Como nem a companhia de turismo nem o hotel provocaram esse ato, estamos orientando a que se dê ao consumidor uma nova data para que ele possa se hospedar novamente sem multa, ou que seja remarcado o passeio, devido à vulnerabilidade do consumidor dentro da relação de consumo. Ele tem direito à vida, à saúde e à segurança. Ele não pode ser submetido a usufruir um produto que exponha sua vida, saúde e segurança”, explicou o diretor-executivo da Fundação Procon-SP, Fernando Capez.

Publicidade

Segundo Capez, as duas partes devem entrar em acordo para buscar a alternativa que melhor atenda o consumidor. Caso a empresa negue a dar essa solução, o consumidor deve procurar o Instituto de Defesa do Consumidor (Procon) da localidade onde mora.

A presidente nacional da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav), Magda Nassar, disse que se há realmente uma macha de óleo que prejudicará o turista de qualquer forma, a viagem tem que ser reagendada ou até mesmo cancelada.

“Isso muito mais do que da nossa parte como agente de viagem, que é apenas o prestador de serviço, tem que estar claro para o dono do serviço, que é a companhia aérea e o hotel. Obviamente vamos trabalhar para que o consumidor não seja onerado”, ressaltou.

Ver comentários

Continue Lendo...

Embaixada do Brasil na Bolívia garante que brasileiros estão sendo assistidos

Embaixador informa que desde outubro comunidade brasileira tem sido orientada com relação às eventuais consequências de manifestações.

Leia Mais
Moradores do Aponiã recebem títulos do projeto Escritura na Mão

O projeto “Escritura na Mão” entregou 189 títulos a moradores do Aponiã, na última sexta (1º). Ao todo eram 228 títulos para serem entregues. As pessoas que não conseguiram pegar o documento, podem se dirigir…

Leia Mais
Empresa grega é suspeita do vazamento de óleo, diz Polícia Federal

O produto atingiu 250 praias nordestinas brasileiras.

Leia Mais
MPRO faz outorga da Medalha de Bons Serviços Prestados a Membros e Servidores

MPRO faz outorga da Medalha de Bons Serviços Prestados a Membros e Servidores

Leia Mais
TJRO realiza primeira fase do concurso para juiz substituto e divulga gabarito

O Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia realizou no domingo, 28, a primeira fase do concurso para juiz substituto, cujo edital prevê cinco vagas para a magistratura estadual. 3.582 candidatos tiveram inscrições homologadas para…

Leia Mais
MPRO participa do projeto Destemidas Marias de conscientização contra a violência doméstica

O Promotor de Justiça Héverton Alves de Aguiar, da 35ª Promotoria de Justiça (Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher), participou na sexta-feira (25/10) e sábado (26/10) do ciclo de palestras promovido pela Unimed Porto…

Leia Mais