×

Cacoal: Estado e Município devem promover atendimento adequado a dependentes químicos

Os desembargadores da 1ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, em recursos de apelações, reformaram parcialmente a sentença Juízo da 3ª Vara Cível da Comarca de Cacoal, que determinou ao Estado de Rondônia e ao Município de Cacoal a promoção do atendimento adequado das pessoas com dependência química, alcoólatras e outros transtornos mentais, delineando obrigações solidárias aos entes públicos.

Na determinação do juízo da causa foi afastada apenas a internação compulsória, à qual pode ser feita após uma análise cuidadosa e mediante laudo médico. A decisão colegiada da 1ª Câmara Especial manteve as determinações para adotarem todas as medidas administrativas necessárias à instalação ou encaminhamento dos usuários de substâncias psicoativas para unidades de acolhimento adulto e infanto juvenil; promover campanhas de prevenção ao uso de drogas e bebidas, contemplando, dentre outras ações, a realização de campanhas de esclarecimento e orientação, inclusive junto à rede de ensino e comunidades escolares locais.

A sentença do juízo da causa também determinou providenciar “atendimento e tratamento especializado de adultos, adolescentes e crianças usuários de substâncias psicoativas, inclusive cigarro e álcool, em regime ambulatorial junto ao CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) e/ou outros programas e serviços que venham a ser criados ou adequados para esta finalidade”.

continua após a Publicidade

Contrariados com essas determinações, o Estado e Município apelaram para o Tribunal de Justiça requerendo a reforma da sentença. A defesa do Estado sustenta que não é omisso nas políticas públicas e realiza campanhas de prevenção nas escolas, por isso o Poder Judiciário não pode intervir na esfera administrativa do Poder Executivo, a fim de impor prioridades ou alterar programas em andamento. Já a apelação do Município de Cacoal pede seu afastamento da causa, considerando que a competência para adotar providências a portadores de dependência química é do Estado.

Por outro lado, o Ministério Público de Rondônia, que moveu a ação civil pública, pede que se mantenha a sentença e sustenta que ambos os entes são competentes para figurar na causa judicial, pois as campanhas adotadas necessitam de melhorias, assim como os tratamentos fornecidos sejam adequados para garantir o direito básico. Já com relação à intervenção do Judiciário sobre o Executivo, argumenta que os apelantes não estão cumprindo com o dever legal e somente por meio de ordem judicial é que irão atender às necessidades apontadas.

O relator, desembargador Glodner Pauletto, em seu voto, pontua cada um dos itens, concluindo que os argumentos do MP são pertinentes. “A intervenção do Judiciário sobre o Poder Executivo visa garantir o cumprimento de direitos e garantias constitucionais nas políticas públicas, sem desconsiderar o poder discricionário da administração”, decidiu.

Os desembargadores Daniel Lagos e Gilberto Barbosa acompanharam o voto do relator na apelação cível (n. 7001613-28.2020.8.22.0007) durante o julgamento realizado no dia 9 de dezembro de 2021.

Ver comentários

Continue Lendo...

STJ confirma exigência de exame toxicológico para renovação de CNH

Recurso foi apresentado pela União em defesa do CTB.

Leia Mais
Decisão da Justiça impede atuação da PRF fora de rodovias federais

Pedido do MPF ocorreu após operações policiais conjuntas, com mortes.

Leia Mais
TJRO aumenta indenização à professora por erro médico

Ela deu entrada no hospital com luxação e saiu com braço fraturado.

Leia Mais
Justiça STF reconhece licença de 180 dias para servidor federal pai solo

STF reconhece licença de 180 dias para servidor federal pai solo.

Leia Mais
TJ nega atendimento psicológico particular para acusado de matar grávida

Juíza aponta que unidade prisional onde Gabriel está disponibiliza atendimento psicológico aos presos, inclusive ao réu, por isso ele não precisaria de atendimento privado.

Leia Mais
TJRO abona banco de horas negativo de aposentados e servidores

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, desembargador Marcos Alaor Diniz Grangeia, isentou todos os servidores (as) da Justiça Estadual, que estiveram afastados do seu local de trabalho, em razão da Covid-19,…

Leia Mais