×

Publicidade

Judiciário mantém punição a homem que agrediu policial

Após agredir fisicamente o policial, o réu resistiu à prisão.

Voto em 7 laudas do desembargador Renato Martins Mimessi, acompanhado pelos pares da 2ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça de Rondônia, em recurso de apelação, manteve a sentença de 1º grau, que, pedagogicamente, puniu Mailton Chaves da Silva “por via de fato e desacato a policiais militares em serviço. O réu foi punido a 15 dias de prisão simples (prevista na lei de contravenções penais); 6 meses de detenção e 10 dias-multas, na cifra um trigésimo do salário mínimo vigente.

Segundo o voto do relator, as penas privativas de liberdade foram “substituídas por pena restritiva de direito nos termos do art. 44, §2º, consistente em recolher-se a sua residência, todos os dias, inclusive aos domingos e feriados, das 22h às 6h; proibição de frequentar bares, boates ou assemelhados; não ingerir bebidas alcoólicas; não portar armas de qualquer espécie; não voltar a delinquir; exercer ocupações habituais e lícitas; comparecimento bimestral em juízo, entre o primeiro e o décimo dia, para justificar suas atividades, pelo prazo da reprimenda aplicada”.

O voto narra que Polícia Militar, no dia 20 de março de 2016, recebeu uma denúncia de que o réu estava perturbando o sossego de moradores com o som automotivo de seu carro, próximo a um boteco. Durante a abordagem policial e diante do ordenamento para desligar o som, o réu ficou enfurecido e agrediu fisicamente um policial militar que estava à paisana no local e que deu apoio a seus colegas policiais. Além disso, agrediu as autoridades com palavras depreciativas.

Publicidade

Embora o réu tenha sustentado, entre outros, que sua prisão é ilegal devido a sua agressão ter sido contra o policial que não estava em serviço; para o relator, “embora o policial estivesse de folga e não utilizando a vestimenta padrão (farda), estava no local onde os policiais de serviço atenderam a ocorrência e se prontificou a ajudá-los, tendo se identificado como policial, sendo que a partir desse momento passou a exercer as funções próprias de seu cargo”. Além disso, “o conjunto probatório juntado aos autos é firme em apontar que o apelante ao proferir palavras ofensivas e desferir chutes no policial, tinha plena ciência do cargo por este ocupado, bem como tinha ciência de que este estava em exercício das suas funções”.

O voto afirma, também, que “o direito à liberdade de expressão e pensamentos, assim como os demais direitos, não possui caráter absoluto, devendo sofrer restrições mormente para garantia de outros direitos de igual estatura, como o da dignidade da pessoa humana, de sorte que a ninguém é permitido se utilizar do direito de liberdade de expressão para ofender ou vilipendiar a honra alheia. Desta forma, em sendo a ofensa perpetrada contra funcionário público, no exercício de suas funções ou em razão delas, deve ser enquadrado o fato ao tipo penal do art. 331, do CP.”

O relator finaliza o seu voto narrando que, diante das provas, ”não há nenhum retoque a ser feito na sentença de origem, a qual deve ser mantida nos exatos termos em que lavrada”.

Os desembargadores Renato Martins Mimessi, Hiram Marques e Oudivanil de Marins participaram do julgamento da Apelação Criminal n. 0000138-04.2016.8.22.0006, no dia 5 deste mês.

Ver comentários

Continue Lendo...

STF mantém decisão que proíbe gestantes em atividade insalubre

Por unanimidade e em ambiente virtual, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e manteve a decisão, tomada em maio pelo plenário, que proíbe o trabalho de gestantes em atividades…

Leia Mais
Acesso efetivo à Justiça: TJRO lança chatbot para consultas processuais

Numa cerimônia simples como o acesso a informações sobre processos deve ser a partir de agora, foi lançado, na manhã desta quinta-feira, 7, o chatbot Dakota, o novo assistente virtual do Tribunal de Justiça de…

Leia Mais
TCE-RO implanta plenário virtual e julgamento de processos será agilizado

O Tribunal de Contas de Rondônia (TCE-RO) implantou o sistema de plenário virtual como rotina para a relatoria de processos na Corte. A novidade tecnológica permite que processos sejam relatados em ambiente virtual, o que…

Leia Mais
Semana da Conciliação em Vilhena tem atendimentos jurídicos e sociais

A programação da Semana Nacional da Conciliação em Vilhena está acontecendo no plenário do Tribunal do Júri do Fórum Desembargador Leal Fagundes. No local estão sendo realizadas audiências que podem pôr fim a processos por…

Leia Mais
Inclusão indevida do nome em cadastro de inadimplentes gera indenização por danos morais

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Rondônia manteve a condenação da empresa Centrais Elétricas de Rondônia ao pagamento de indenização por danos morais, no valor de cinco mil reais, à moradora que…

Leia Mais
Estado de Rondônia é condenado a indenizar filha de aluno-bombeiro morto em treinamento

Por unanimidade de votos, os desembargadores da 2ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça reformaram, parcialmente, a sentença de 1º grau e condenaram o Estado de Rondônia a indenizar, por danos morais e materiais, a…

Leia Mais