×

Publicidade

Suicídio causou mais mortes em policiais do que confronto com crime

Em 2018, 104 policiais cometeram suicídio e 87 morreram em confronto

Suicídio causou mais mortes em policiais do que confronto com crime

Foto: Pixabay

A 13ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública registra exposição à violência fatal a que os policiais brasileiros estão sujeitos. Em 2018, 343 policiais civis e militares foram assassinados, 75% dos casos ocorreram quando estavam fora de serviço e não durante operações de combate à criminalidade.

A violência a que os policiais estão permanentemente expostos tem efeitos psicológicos graves. Em 2018, 104 policiais cometeram suicídio – número maior do que o de policias mortos durante o horário de trabalho (87 casos) em confronto com o crime.

“No senso comum, o grande temor é o risco da violência praticada por terceiros, mas na verdade o suicídio está atingido gravemente os policiais e não está sendo discutido e enfrentado de forma global”, aponta Cristina Neme, pesquisadora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública que edita o anuário.

Publicidade

“É um problema muito maior que muitas vezes é silenciado. São os fatores de risco da profissão que levam ao estresse ocupacional. Eles passam por dificuldades que outras pessoas podem ter, mas que no caso do policial esses problemas, quando associados ao estresse psicológico da profissão e do acesso à arma, pode facilitar esse tipo de ocorrência”, lamenta a pesquisadora.

Letalidade

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública registra que houve queda de 10,43% de mortes violentas intencionais em 2018. Mas apesar da queda verificou-se que ao mesmo tempo cresceu em 19,6% o número de mortes decorrentes de intervenções policiais.

A ação da polícia é responsável por 11 de cada 100 mortes violentas intencionais no ano passado, quando 6.220 pessoas morreram após intervenção policial, uma média de 17 pessoas mortas por dia.

O perfil das vítimas repete a situação encontrada em outros anuários: 99,3% eram homens, quase 78% tinham entre 15 e 29 anos, e 75,4% eram negros.

Para a pesquisadora Cristina, os números correspondem a uma decisão superior de ação policial. “A atitude da liderança política é fundamental para reverter o quadro de letalidade e promover políticas de segurança mais eficazes”, assinala a especialista que reclama de “discursos demagógicos e falaciosos que legitimam a prática da violência”.

Ver comentários

Continue Lendo...

No STF, PGR defende uso de dados bancários e fiscais sem crivo de juiz

Plenário julga se órgãos de controle podem compartilhar informações.

Leia Mais
Apreensão de cocaína pela Receita bate recorde em 2019

Volume supera em 50% o registrado em todo o ano passado.

Leia Mais
Celulares pré-pagos de 17 estados devem ser recadastrados até segunda

Titulares de linha telefônica pré-paga em 17 estados têm até a próxima segunda-feira (18) para recadastrar e atualizar seus dados, sob risco de ficarem com o serviço bloqueado. A medida faz parte do projeto da Agência…

Leia Mais
Senado pode concluir votação da PEC Paralela nos próximos dias

Sessão está marcada para a próxima terça-feira.

Leia Mais
Negros e pardos são maioria em universidades públicas pela 1ª vez

Os negros e pardos se tornaram, pela primeira vez, maioria nas universidade públicas brasileiras, segundo pesquisa do IBGE divulgada nesta quarta-feira, que apontou, no entanto, que eles ocupam menos cargos gerenciais, têm mais dificuldade de…

Leia Mais
Maia e Alcolumbre adotam cautela sobre PEC da 2ª instância

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), adotaram cautela em relação a uma proposta para autorizar a prisão após condenação em segunda instância. Comissões das duas Casas discutem textos…

Leia Mais