×

CCJ do Senado endurece pena para ‘stalking’ e torna prática crime

Lei atual considera perseguição obsessiva de alguém como contravenção penal, e não crime. Se vítima for mulher, juiz pode aplicar medidas da Lei Maria da Penha.

CCJ do Senado endurece pena para ‘stalking’ e torna prática crime

Foto: Reprodução/Internet

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira (14) dois projetos que endurecem as penas para o chamado “stalking”, a perseguição alguém de forma obsessiva.

Um dos textos ainda tipifica essa conduta como crime. As propostas têm caráter terminativo e, por isso, seguem direto para a Câmara dos Deputados.

Um dos projetos altera a Lei de Contravenções Penais para determinar prisão, de dois a três anos, para quem “molestar alguém, por motivo reprovável, de maneira insidiosa ou obsessiva, direta ou indiretamente, continuada ou episodicamente, com o uso de quaisquer meios, de modo a prejudicar-lhe a liberdade e a autodeterminação”.

Publicidade

Na legislação em vigor, a prática de “molestar alguém ou perturbar-lhe a tranquilidade” é considerada contravenção penal, e não crime, e tem como pena a prisão de 15 dias a dois meses, ou multa.

Pelo texto aprovado pelos senadores, caso a vítima seja uma mulher, o juiz pode também aplicar as medidas protetivas previstas na Lei Maria da Penha.

“São claras as razões pelas quais as mulheres tendem a ser mais vitimadas: a permanência, no presente tecnológico, da mentalidade possessiva e machista do passado. Potencializada pela tecnologia, a violência arcaica adquire novas formas de machucar a todos, e às mulheres, em especial”, afirma a autora do projeto, senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), em sua justificativa.

Tipificação como crime

Outro projeto aprovado nesta quarta pelo colegiado, de autoria da senadora Leila Barros (PSB-DF), tipifica a perseguição ou o assédio, por meio físico ou eletrônico, como crime no Código Penal.

Com isso, a pena prevista para a prática será de seis meses a dois anos de prisão ou multa.

A pena pode ser aumentada para até três anos se o crime for cometido por mais de três pessoas, se houver o emprego de arma, quando o direito de expressão é violado ou quando o criminoso simular a atuação de várias pessoas durante a prática.

O crime também será enquadrado como qualificado em casos em que o autor foi ou ainda é íntimo da vítima. Nestes casos, a detenção é de um a três anos.

Na análise da matéria, o senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), relator do texto, justifica que a perseguição foi criminalizada nos Estados Unidos “quando se buscou dar proteção às pessoas eram perseguidas de modo a temer por sua segurança e suportar grave sofrimento emocional”.

O senador cita, também, outros países em que a prática também é crime, como França, Itália, Alemanha, Índia, Holanda, Canadá, Portugal, bem como no Reino Unido.

“A criminalização da perseguição reiterada ainda tem o mérito de funcionar como um instrumento de prevenção de delitos mais graves, diante da real possibilidade de o perseguidor se aproximar cada vez mais da vítima e a perseguição evoluir para crimes mais graves, como lesão corporal, estupro e até mesmo homicídio”, justificou.

Ver comentários

Continue Lendo...

Luiz Paulo Batista esclarece sobre o fim das coligações nas eleições de 2020

Além de advogado, ele é Secretário-Geral dos Progressistas em Rondônia.

Leia Mais
Presidente Laerte Gomes se reúne com cúpula do Tribunal de Contas

Paulo Curi Neto, novo presidente do órgão destacou seu planejamento de trabalho ao lado dos demais conselheiros da diretoria do TC.

Leia Mais
Presidente Laerte Gomes anuncia contratação de 40 concursados e reforma administrativa

Além de cumprir a legislação sobre estatutários e comissionados, medidas reforçam austeridade na Assembleia.

Leia Mais
Presidente Laerte Gomes destina R$ 240 mil de emenda parlamentar para atender demanda de Chupinguaia

Parlamentar destinou recurso em atendimento à solicitação do vereador Rubinho do Novo Plano.

Leia Mais
Presidente Laerte Gomes recebe cúpula do Tribunal de Justiça durante visita institucional

Autoridades pontuaram 2020 como um ano de muitos desafios e conversaram sobre vários gargalos que envolvem a economia do Estado.

Leia Mais